quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Cigarro II

Lurdinha tinha descido do ônibus, estava com pressa, atravessou a rua correndo e, ao virar a esquina trombou com Jorjão. Não o via há quase um ano. Ele a puxou pelo braço. Ela arrepiou toda, coração disparado, boca seca de susto- detestava sentir aquilo. Detestava Jorjão.
- Você continua linda, hem...
Coração disparado, boca seca, sangue no rosto
- Ta linda demais... cheirosa... À medida que ele se aproximava para sentir o perfume de seu pescoço, Lurdinha ia perdendo a força nas pernas e se entregava de novo ao abraço de Jorjão que, o-por-tu-nis-ta, lhe deu o seu melhor beijo.

...

- Bom te ver, menina. Te ligo qualquer dia.

E Lurdinha lá, parada no meio da rua, com cara de otária, olhando ele se distanciar sem nem olhar pra trás. Sem nem ter dito o nome dela. Será que ele lembrava do seu nome? Puta que paril.

Lurdinha , nervosa, quase tremendo, parou na banca e catou suas moedas no fundo da bolsa. Não dava pra comprar os dois. Então ficou em dúvida entre o chocolate e o cigarro.

Sentou no meio fio e, sentindo os carros que passavam na avenida, bem perto de seus pés, ficou ali, tentando assimilar o acontecimento.

3 comentários:

Anônimo disse...

ah, esse jorjão...!
ah, essas pernas idiotas!
b.

e.nas. disse...

to adorando passear por aqui...
adorando seus textos.bjs, carol...bjs.

Gui disse...

e ai, chocolate ou cigarro?a